domingo, 24 de novembro de 2013

Treino no Monsanto com os corre@correr - 24 de Novembro de 2013

Esta semana, no que respeita a treinos, fiz apenas 3 sessões, incluindo a de hoje no Monsanto.
O início da semana foi complicado! A Corrida do Monge deixou marcas e na 2ª e 3ª feira passei por uma fase "geriátrica", em que descer escadas era um sofrimento para mim. Tanta dor nas pernas...
Assim, depois de correr 5 km na 4ª feira e 13,5km na 5ª feira, hoje foi dia de correr no Monsanto!
Durante a semana,  a ideia de ir para a mata do Monsanto surgiu numa conversa entre mim e o Ricardo, que queria treinar algo do género trail, talvez por ainda estar entusiasmado com o Monge. Propus Monsanto e ficou assente! Lancei o desafio ao resto do grupo, e a malta aderiu! Parece que a febre do Trail está a pegar! Bora lá!!!!

Levantei-me cedo, e o frio apertava... A geada ainda dormia nas ervas e nas pedras quando fui passear o canídeo!
Adivinhando que o carro iria ter gelo, fui preparado com um bidon de água para descongelar o carro que tinha uma bela camada de gelo nos vidros. Dizem que as próximas noites vão ser idênticas... tenho de ter o bidon à mão! :)
Pelos parágrafos anteriores já dá para ver  o frio que estava hoje de manhã!

Chegado ao Monsanto, lá me encontrei com alguns companheiros da equipa, e no total fomos sete os que não tiveram medo do frio!
O treino no Monsanto iria ser do género de trail, com algumas subidas e descidas, singletracks, pedras, raízes, alguma lama e muito verde! A mata estava luxuriosa, com o habitual contraste verde/castanho desta época do ano e com muitos bttistas, como habitual!
Resumindo o percurso, saímos dos pupilos em direcção ao Parque do Calhau, depois passámos junto ao Bairro da Serafina, Pedreiras, subida até ao restaurante monte Verde, Prisão, Pina Manique, Mata de São Domingos e Pupilos!
O ponto mais difícil do treino foi subir o estradão paralelo à Av. Duarte Pacheco, que tem cerca de 1 km, mas treino de montanha é assim mesmo, tem de se suar!
Pelo meio disto tudo, a malta portou-se bem, tentando adequar os andamentos dos mais rápidos e dos mais lentos, tentando não cair nos caminhos mais técnicos, e para alguns isto era novidade, mas tudo correu bem, sem problemas.
Perto dos 7/8 km ainda deu direito a que me enganasse no percurso, mas acho que valeu a pena dado o singletrack que fizemos, muito sinuoso e bonito, muito embora isso obrigasse a percorrer um pouco de estrada para retomar o caminho planeado! O Pessoal não se queixou do facto, pois também não conheciam o percurso e pensaram que era mesmo assim, eh eh eh!
No final, os gingarelhos de GPS da malta acusavam uma distância percorrida de 13,5 km em 1h39m!
Hoje, segundo o meu plano de treinos deveria ter feito um treino longo de 18 kms... e baldei-me! Ou talvez não... pois 1 hora e 39 minutos a correr pode ser considerado longo...  :)
De salientar o espírito de convívio da malta, sempre bem disposta e com vontade de fazer caminho!
Obrigado pela companhia aos companheiros António Rato, Nuno Almeida, Ricardo Lopes, Ricardo Ferreira, Carlos Lopes e Hugo Ratinho!

Hasta

domingo, 17 de novembro de 2013

Não sei como é que o Monge subia e descia aquilo... 17NOV2013



Pela fresquinha, e à hora marcada, apanhei os meus companheiros de corrida, Ricardo e Mourato, para seguirmos para Janes - Malveira da Serra, em plena serra de Sintra.
Se para mim e para o Ricardo, esta prova não seria uma estreia neste tipo de competição, já para o Mourato, era uma aventura e tanto, ele que não treina corrida sequer! Ainda tentámos demovê-lo para participar na caminhada, mas o homem não é nenhum menino e acabou por atacar o trail sem medos!
Chegados a Janes, fomos aquecer a alma com uns belos Cariocas de Limão. Estava frio, mas até nem estava tanto como eu esperava. Na Margem Sul fazia mais frio, ainda assim estava fresco, algo perto dos 9/10 graus.
Pouco depois chegava o resto da equipa corre @ correr, que depois de levantar os dorsais, obrigaram a nova incursão à pastelaria. Não sei se o Monge abriu aquela pastelaria ou se contribuiu para algumas especialidades conventuais, mas lá que os bolos eram bons, isso eram!

Chegada a hora da prova e ainda a limpar o açúcar de pasteleiro das beiças, a malta dirigiu-se para a partida. Foi a altura do check-in, e ouvia-se o comentador da prova a dizer que ninguém começava sem que todos estivessem devidamente certificados... OI? Ricardo, então... não trouxeste o plástico que envolvia o dorsal? Era lá que estava o código de barras!!! Em cima da hora, lá foi o Ricardo a correr para o carro a uns 300 metros da partida, procurar pelo dito plástico! 
- "Ele depois apanha-nos.", disse eu!
Partida! E para começar, 20 metros depois da partida apresenta-se logo uma bela rampa empedrada que inicia uma subida com cerca de 4 kms, que arrebentou com muitos participantes, incluindo eu!
O raio da subida nunca mais acabava! Metade da rampa já entrava na mata, pelo Caminho dos Fetos, brindando-nos com a flora de Sintra, e distraindo-nos das dificuldades! Não foi fácil, mas lá cheguei ao topo, ao local do Monge, mas não o vi... e cá para mim devia estar na pastelaria a comer bolos!
Do alto, claro, tinha-se de descer! E que descidas! Soberbas, embora perigosas, com raízes, pedras,  pedregulhos, rochedos com um metro de largura e altura... e por entre caminhos desbravados pelos Downhillers do BTT,... aquilo foi um fartote! Foi mesmo curtir à brava! À brava, mas com a prudência necessária para não dar nenhum espalhanço! Foram muitas centenas de metros naquela jinga-joga, de tal modo que me começou a doer as pernas de tanto descer! E quando se pensava que já tinha acabado, mais descida... por serra abaixo. Às tantas já não estava a achar tanta piada às descidas... eram descidas a mais... até que, alcançamos o Trilho das Pontes, meu conhecido por causa das minhas voltas de BTT e finalmente a coisa amainou um pouco em relação à inclinação! Nessa altura, sou alcançado pelo Ricardo (eu não dizia?) que depois de me dizer algo tipo - "Bora Luis, vem daí!", ao qual eu respondi - " Vai Ricardo, que estou todo roto!", me passou tipo Flecha! Aliás, há malta que me impressionou pela facilidade com que descem aqueles trilhos cheios de obstáculos, e quando uma pessoa pensa que até lhe "vai a dar bem" ouvimos uns passos atrás vindos do nada...:
- "Força, quer passar?"
- "Obrigado!"
Não gosto de empatar...
Passado um pouco voltei a ter a companhia do Ricardo que abrandou, voltou para trás (!) e fez comigo grande parte do final da prova. De GoPro na mão foi registando alguns belos momentos de sofrimento! O que ainda nos estava reservado eram cá umas subidas, vai lá vai. 1,5 km com 25 % de inclinação! Quase que caía para trás! Foram feitas a andar, ora bem, porque a correr já não dava, e sobre algumas delas gostava de saber se alguém faz aquilo a correr, só se for a malta do pódio!
Depois dessas subidas o Ricardo voltou a dizer-me um "até já!", seguindo no andamento dele e eu fiz o mesmo na companhia de um companheiro dos Run4Fun que me distraiu até à meta!
Sem dúvida que esta foi uma das mais duras provas que fiz, mas apesar de custar bastante, fica sempre o bichinho a morder, para voltar a fazê-la...
Ainda não há classificações, mas neste tipo de prova também não será o mais importante.
De qualquer modo percorri os 12 kms em 1:13:30 horas.
Os corre @ correr estão de parabéns, pois cumpriram a prova à homem, sem queixinhas! :)

Venha a próxima... a Meia dos Descobrimentos!

Hasta!

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Resumo de treinos do "je"... à porta do Monge!

Querido diário de bordo, esta semana portei-me bem, lavei sempre os dentes e fiz o "xixi/cama"  cedo, e ainda treinei sempre que estava programado! Fui um bom menino, hein?
Ando a tentar aumentar a carga de kms, pois a Meia dos Descobrimentos aparece mais depressa do que se pensa. Na semana passada corri:

3ª feira - 9.2 kms em 47:02 a 5'07''km
5ª feira - 12.1 kms em 58:12 a 4'49''km
6ª feira - 2.5 kms em 15'  a 6'km + treino de pranchas
domingo - 14.5 kms em 1:18:00 a 5'23''

Sobre o treino da 6ª feira, experimentei o esquema das pranchas que "roubei" ao Carlos "Papa-Kilometros" Cardoso, e posso adiantar que aquilo é mesmo puxado. Ah e tal, são 5 minutos de pranchas... mas são 5 minutos que doem para caraças! :)
Acho que "pranchas", daqui para a frente, só em cima da minha Lufi Surfboards... na Caparica!

Sobre o treino de domingo, este era para ser mais longo (18 kms), mas meti-me pelo mato e a coisa ficou algo "ténica" e inclinada, e logo mais desgastante, por isso achei melhor encurtar a distância para não massacrar muito.

No próximo domingo há prova, a Corrida do Monge em Sintra, e vão ser 12 kms em modo montanha-russa...  Ui, que vai ser mesmo divertido!!! :)
Depois conto como foi!

Hasta



domingo, 3 de novembro de 2013

Treino na Arriba - a preparação para a Corrida do Monge 3NOV2013

Boas!

Com o intuito de preparar a Corrida do Monge, daqui a 2 semanas, "seduzi" os meus comparsas de treino a subir e descer a Arriba Fóssil da Caparica, nos flancos da Corvina e dos Capuchos.

Pensei nuns percursos que conheço do btt, expliquei o que queria fazer e a malta aderiu. O percurso que planeei tinha alguns troços duros, como podem ver no gráfico que roubei ao Moreira, e antes do treino perguntava-me se eles iriam gostar ou se teria pensado num troço demasiado agressivo...
Os sorrisos no final, eram sinal de aprovação. Ainda bem, que isto de escolher percursos para outros, tem que se lhe diga!
Outra particularidade deste treino, é que ele foi feito de câmara GoPro na mão, rodando por todos, para recolha de imagens de um pequeno filme que se está a preparar sobre o grupo. A pedido do nosso realizador, captámos imagens de pés a correr, a pisar água, a levantar areia, de rostos suados, enfim, o nosso Manoel de Oliveira tem ali material para editar e montar à vontade!

A primeira parte do treino era dura e tinha logo um obstáculo surpresa,... saltar um muro ao estilo Comando Challenge, para dar acesso à subida da arriba por um caminho de cabras, de tal forma inclinada, que todos a fizemos a andar em algumas partes que não dava mesmo para correr. Sempre a desci de bike e desta vez foi a subir, a correr dando-me uma prespectiva completamente diferente do trilho. Chegámos bem aquecidos ao alto e daí descemos em direção ao Ondaparque, e atravessámos para o lado do Funchalinho. Mantivemos um andamento cauteloso, pois haveríamos de subir outra rampa alcatroada, não menos difícil que a primeira. De facto, a subida do Funchalinho foi difícil, e também obrigou a inclinarmo-nos para a frente!
No alto do Funchalinho houve um pequeno abastecimento, e seguimos para os Capuchos. Aí, entre filmagens e takes cinematográficos, atacámos outra subida, desta vez em terra solta com pedras. O esforço já se notava em algumas caras, mas a malta estava bem para o resto do percurso.
Entrámos na mata que é Paisagem Protegida da Arriba Fóssil e deparamo-nos logo com um espetáculo triste, de muito lixo, cerca de 25 metros quadrados de lixo, com total desprezo ali deixado na mata. Isto há gente sem escrúpulos.
Depois descemos a mata, que se apresentava verdejante, até à descida das vacas, onde ajudámos um senhor a desenterrar o seu Benz, atolado na areia. Treino é treino... e empurrar carros faz parte! Dá força nas coxas e nos glúteos, eh eh eh!
O resto do treino foi feito sem desníveis, pelas Terras da Costa até ao ponto de partida.

Foi um bom treino para o trail que aí vem, com bastantes variantes, como a malta gosta!
No final, rendeu 12 kms, percorridos em 1:19:17 apurando um ritmo adequado ao que se fez... algo na casas dos 6 min/Km.

Obrigado ao Moreira, ao Ricardo e ao Almeida pela companhia!

Hasta




Trail de Sesimbra 2019 - 15k

Boas! "Este Trail de Sesimbra parece uma prova interessante para a malta se inscrever... é perto de Lisboa e o camandro!"  ...